Com Bola e Tudo

Com Bola e Tudo

Aaaaah é chocolate! Aaaaah é chocolate!

por Guilherme Barbosa, em 2016-03-28 09:37:00

Domingo de Páscoa, famílias reunidas (algumas somente aproveitando o “feriadão”, esquecendo o sentido de renovação da data), ovos de Páscoa pra meninada e o pensamento de alguns: “será que meu time vai golear hoje pra eu falar que deu chocolate?”. 

 

 

Ao final do domingo, quem teve que engolir um chocolate bem indigesto, diria que até seboso, do tipo hidrogenado mesmo, foi o Palmeiras. No clima de Páscoa, tomou um chocolate do Água Benta, quero dizer, Água Santa. Foi um 4 a 1 com direito a gol contra e tudo mais! Mais parecia um jogo entre Água Santa e Volume Morto. 

 

 

Mas afinal, de onde mesmo surgiu a expressão “dar chocolate” para as goleadas?

 

Apesar de eu zoar muito o Vasco (e saber que você adora isso, seu sacana!) temos que dar o braço a torcer. Essa forma de zoar existe graças aos caras que jogam futebol usando cinto de segurança. Tudo começou em 25 de janeiro de 1981, numa goleada aplicada pelo Vasco por 4 a 0 no Internacional, após ter sido derrotado pelos gaúchos no ano anterior. O narrador Washington Rodrigues, o Apolinho, decidiu colocar no ar, após a goleada, a música “El Bodeguero”, do cubano Ricard Egües, que diz: “Toma chocolate, paga lo que debes”, numa suposição de que o Inter estava pagando o que devia aos vascaínos. O refrão virou febre e essa expressão é reproduzida até hoje nos papos futebolísticos. 

 

Música e futebol se misturam e essa mistura não se limita a hinos e cantos das torcidas. O esporte, seus craques e expectativas por participação em Copas do Mundo, enfim, são temáticas frequentes na nossa música. É influência de lá pra cá de daqui pra lá. Quer exemplos? Vamos lá! 

 

1­  É Uma Partida de Futebol ­ Skank 

 

Claro! Essa não podia faltar, não por ser a melhor (ao menos pra mim), mas por ser uma das mais conhecidas. É difícil encontrar um apaixonado pela bola que nunca tenha ouvido a música e não tenha se identificado com a parte que diz: “Quem não sonhou em ser um jogador de futebol?” 

 

 

 

2 ­ Eu Quero Ver Gol ­ O Rappa 

 

Esse som d’O Rappa dá eco ao sentimento que grita dentro de quem gosta de futebol. O torcedor quer ver gol. Basicamente gol. “Não precisa ser de placa…”. Torce, xinga, enfim, só pra ver o seu time ganhar!

 

   

 

3 ­ Geração das Copas ­ Caju e Castanha 

 

Quem disse que a dupla de repentistas Caju e Castanha não fez a sua homenagem ao futebol? Melhor que isso, falaram sobre as gerações de campeões que disputaram a Copa do Mundo vestindo a amarelinha. 

 

 

 

4 ­ Replay ­ Trio Esperança 

 

Essa, quem acompanha futebol pelo rádio com certeza já escutou! São incontáveis as emissoras que usam ou já utilizaram essa música na hora do pico da emoção de um jogo. “É gooool, que felicidaaade…”

 

   

 

5­ Voa, Canarinho ­ Júnior (o jogador mesmo!)

 

Um hit para embalar a falada seleção de 82, repleta de craques e comandada por Telê Santana. Há quem diga que a música deu azar, já que mesmo com craques como Leandro, Júnior,Toninho Cerezo, Paulo Roberto Falcão, Zico, Sócrates e Éder, a Seleção Brasileira não conseguiu trazer a taça do mundo.

 

   

 

6 ­ A Taça do Mundo é Nossa 

 

Em 82 não rolou, mas em 1958, os brasileiros comemoraram pela primeira vez na história um título de Copa do Mundo! A música, composta com inspiração na conquista do título, acabou tendo o seu título copiado pelo Casseta & Planeta (sinto falta, viu?) para o filme que conta uma versão bem humorada para o destino da taça Jules Rimet, que desapareceu após a conquista do Tri­mundial do Brasil. “Com o brasileiro, não há quem possa!” 

 

 

 

7 ­ Futebol, Mulher e Rock’n Roll ­ Dr. Sin 

 

De gosto duvidoso, é verdade, mas a presença do Sílvio Luís (pra mim o narrador de futebol mais divertido da TV brasileira) no clipe deu uma valorizada, já que explorou uma figura folclórica da imprensa esportiva brasileiro.

 

   

 

8 ­ Filho Maravilha ­ Jorge Ben Jor

 

“Só não entrou com bola e tudo porque teve humildade”. Essa é a marca do cara, homenageado por Ben Jor. Fio Maravilha, foi um atacante que atuou pelo Flamengo, Paysandu­PA e alguns times do Estados Unidos, durante as décadas de 1960 e 1970. Desengonçado, ele perdia gols “feitos” após driblar os zagueiros adversários. Caiu nas graças da torcida após fazer o gol da vitória do Flamengo sobre o Benfica, por 1 a 0. 

 

 

 

9 ­ Sou Ronaldo ­ Marcelo D2 

 

Não é à tôa que essa lista tem 9 exemplos, né? Ronaldo Nazário (Fofômeno, ops, Fenômeno) inspirou o Marcelo D2 (mas mantenha o respeito!) a compor essa música devido à sua história de superação de lesões graves no joelho e, após isso, ser pentacampeão mundial. Goleador, o cara bem que mereceu a homenagem!